Site desenvolvido por Lacir José dos Reis. Desculpe mais a radio ainda não está em funcionamento. Ainda estamos trabalhando para isso.
 

Espiritualidade da Libertação para o Século XXI
Adital - Como pensar, em comunhão e liberdade de espírito, a espiritualidade da libertação para o século XXI? Como continuar dando passos concretos no seguimento a Jesus em tempos de retorno do moralismo e do tradicionalismo fundamentalista que ronda as atitudes e práticas religiosas? São questões que devemos como cristãos e cristãs buscar compreender.Antes de tudo, precisamos entender que toda espiritualidade têm como sentido último a libertação das pessoas. A espiritualidade é uma adesão pessoal a um projeto de vida a ser vivido em comum por um grupo, ou seja, no coletivo. Os cristãos possuem sua espiritualidade. Os muçulmanos a sua. Os budistas a sua. Na tradição cristã existem muitas formas de espiritualidade nas diversas denominações. Os católicos, os anglicanos, os luteranos, os ortodoxos, enfim, cada uma vive a sua espiritualidade. E, ainda, no interior de cada denominação religiosa existem grupos que vivem diferentemente o projeto. Assim, espiritualidade é o jeito que vivemos o Evangelho. É a maneira encontrada por um determinado grupo em viver o projeto no qual acreditamos. Portanto, se toda espiritualidade é por excelência libertadora, toda espiritualidade cristã também deve ser.
Para nossa tradição cristã, espiritualidade é seguir a Jesus, em nossa história, hoje, nas alegrias e tristezas que a humanidade nos oferece. E devemos assumi-la como sendo nossa espiritualidade. Seguir a Jesus significa assumir suas causas, adotar suas atitudes, viver segundo o Espírito. Assim, percebemos que fazer a experiência da espiritualidade não é algo simplesmente "transcendental", "metafísico", distante das realidades humanas. A espiritualidade nos interpela a assumir o projeto de libertação proposto por Jesus. E, como seguidores, devemos encontrar a estrada para nela caminhar.
Nas primeiras comunidades cristãs, a espiritualidade cristã estava sendo vivida sob a égide da perseguição do Império Romano e da perseguição de grupos extremistas do judaísmo. Hoje, deve-se viver a espiritualidade cristã da libertação sob a égide do culto ao deus mercado impulsionado pelo avanço do Império Neoliberal. Império que ronda o planeta como única via e que amplia seu território de fixação da doutrina e estimula a escravidão das consciências, principalmente, das massas que são chamadas a se tornarem consumidoras desse mercado total.
Pensar a espiritualidade fora e distante das realidades humanas significa torna-la em ritualismo ou em falta de sinceridade com o projeto de Jesus, ou seja, torna-se um espiritualismo desencarnado, sem compromisso com a caminhada de Jesus que devia ser a nossa caminhada, em busca do Reino Definitivo, onde todos e todas "tenham vida e vida em abundância" (Jo 10,10). Alguém poderia perguntar: Como saber qual deva ser nossa espiritualidade? Primeiro, abrir-se ao clamor dos pobres e de todo o povo que clama por libertação; e, também, ao vento do Espírito que sopra e age onde quer.
Evidentemente que de uns tempos para cá cresceu o clamor e a sede por espiritualidade nas comunidades cristãs e não-cristãs. As pessoas querem viver a experiência do sagrado. Querem beber do poço a água viva da esperança, das lutas e da busca pelo Deus da Vida. As pessoas cada vez mais se sentem atraídas pelo mistério e querem se encontrar ou se reencontrar neste Mistério. Por isso, o crescimento universal das religiões e de comunidades alternativas. Todos querendo beber da água que o mundo pós-moderno não lhes oferece. Mas até que ponto isto é espiritualidade? Até que ponto esta busca pelo sagrado não gera mais individualismo e acaba ampliando as idéias do mercado neoliberal? Até que ponto as pessoas querem mesmo assumir um compromisso com o projeto a ser seguido? A libertação é a conseqüência do compromisso assumido.
Dessa forma, espiritualidade pode ser definida como sendo as motivações, os ideais, as utopias, a paixão e a mística pela qual se vive e se luta. Espiritualidade é aquilo que nos contagia na caminhada. Os espiritualismos estão repletos de doutrinas, ritos, dogmas sem nenhuma paixão, ideais e vida. Falta-lhes o essencial da experiência com o sagrado. A espiritualidade possui a liberdade de espírito. Os espiritualismos, ao contrário, fazem com que as pessoas vejam o mundo de forma mecânica. Para os cristãos e cristãs de ontem e de hoje o importante é agir conforme o espírito do Reino tendo como eixo norteador a espiritualidade do seguimento a Jesus. Outros espíritos se afirmam na história, tais como: o espírito do romanismo, o espírito do capitalismo, o espírito da lógica de mercado neoliberal, o espírito do liberalismo, entre outros. Resta-nos servir ao espírito do Evangelho, pois "não se pode servir a dois senhores".
A espiritualidade é patrimônio de toda a humanidade, de todos os povos da terra. Toda e qualquer pessoa é animada por uma espiritualidade que a contagia na caminhada. Alguns são contagiados pelos valores do Evangelho, outros pela sedução do mercado neoliberal, outros pela valorização da cultura perdida. Assim, espiritualidade não se refere somente às religiões. Ela é algo do próprio ser humano que é um ser fundamentalmente espiritual. Mas, toda espiritualidade é também algo religioso. Existem espiritualidades religiosas e não-religiosas. Para nós, cristãos e cristãs, a espiritualidade é, acima de tudo, religiosa. É nela que se faz a experiência com o Deus da Vida. No entanto, não basta a religiosidade. É preciso e necessário que a religião esteja profundamente arraigada pela espiritualidade, ou seja, é preciso que haja autenticidade no seguimento ao projeto de Deus, ao Reino. Fácil seria se espiritualidade fosse entendida somente como sendo práticas ritualistas ou compromisso mecânico de ir à missa ou participar de algum evento religioso. Não, espiritualidade é algo mais comprometedor que nos engaja na luta pela vida, pelo Reino.
Nossa fé é cristã e a partir dela nós descobrimos Deus presente no cosmo, na vida e na história da humanidade. Na fé cristã Deus vem morar com a gente. Deus é amor gratuito sem cobranças vazias. Portanto, nossa espiritualidade é religiosa porque o Deus vivo é revelado por meio de Jesus, seu Filho. E é cristã porque somos convidados a seguir o projeto do Reino no seguimento a Jesus. O Deus de Jesus é o nosso Deus. A causa de Jesus é a nossa causa. Já dizia Paulo: "Nosso viver é o Cristo" (Fl 1,21). Jesus é nosso "pathos" - paixão, e seu Espírito a nossa espiritualidade.
Podemos viver a espiritualidade em dois sentidos, a saber: de forma personalizada, consciente e livre que abranja todas as dimensões do ser do Homem (alma e corpo, pensamento e vontade, sexo e fantasia, palavra e ação, interioridade e comunicação, contemplação e luta, gratuidade e compromisso), pois cada pessoa a vive de forma única; e, vive-la de forma encarnada na história, hoje e aqui, em nossa América Latina e em nossas comunidades com suas dores e alegrias. Viver as duas dimensões da espiritualidade nos abre caminhos para se viver concretamente o que aqui chamamos de Espiritualidade da Libertação.
A espiritualidade não pode reprimir a realização pessoal e o vôo do Espírito. Isto seria ir contra ao Evangelho da Liberdade anunciado por Jesus. O perigo dos espiritualismos é cairmos numa formação espiritual dispersiva, mutilada, dicotômica, unilateral e mecanicista. A vida do ser humano é importante neste processo e ela pode ser entendida como problemática (mistério), como desafio (uma missão), um espaço (graça) e assumir este espaço requer atitudes, mediações com a finalidade de se atingir a opção fundamental na vida.
Espiritualidade é vida. Vida não se ensina, mas se experimenta. Logo, todos e todas são chamados a experimentar o Espírito de Jesus por meio do seguimento ao seu projeto. Assumir o seguimento significa viver uma espiritualidade. Viver a espiritualidade do seguimento a Jesus hoje significa assumir as dores e angústias, alegrias e festas do povo ao qual pertencemos. Se estivermos na América Latina, no Brasil, em Goiás, numa comunidade eclesial específica significa assumir o seguimento a Jesus aí, nesta realidade de vida. Assim, teremos a vivência concreta de uma espiritualidade religiosa, cristã, latino-americana e libertadora. Espiritualidade do "Povo Novo" para o bispo profeta Pedro Casaldáliga que possui as seguintes características: lucidez crítica, a contemplação na caminhada, a liberdade dos pobres, a solidariedade fraterna, a cruz e a conflitividade, a insurreição evangélica ou a Revolução da Boa-Nova e, por fim, a teimosa esperança pascal.
Características do Povo Novo que se apresenta a nós, hoje e aqui, em nossa América Latina mundializada para todos os povos da Terra. Tais características não sobrevivem sem o fortalecimento da Espiritualidade da Libertação interpelada por uma profundidade pessoal, pelo reinocentrismo, por uma espiritualidade do essencial e universal cristão, pela localização na realidade histórica dos pobres, pela crítica, pela práxis e pela integridade sem dicotomias e sem reducionismos.
Assim, pode-se definir a Espiritualidade da Libertação como cristológica, situada historicamente no social e nas comunidades cristãs, na cruz da profecia e do conflito, na gratuidade e na exigência do Evangelho, na contemplação libertadora e no anúncio incondicional do Reino e na denúncia do anti-Reino; espiritualidade da libertação que se enraíza nas culturas oprimidas de nossa história, herdeira do sangue de muitos e muitas que tombaram doando a vida e o sangue do martírio, profeticamente alternativa ao sistema de morte, na co-responsabilidade eclesial e, por fim, com profundo espírito ecumênico e macro-ecumênico.
Vivemos em todos os países do mundo um momento de mundialização do espírito neoliberal, do poder das trevas. É o anti-Reino crescendo e se ampliando. Como cristãos e cristãs, deveríamos viver a espiritualidade da libertação e anunciar o Kairós do Reino, Reino de Deus anunciado por Jesus. Não basta cumprir os preceitos religiosos e práticas devocionais para construir o Reino. É preciso um compromisso de fidelidade maior com o Evangelho e com a construção do projeto de Jesus. Ser discípulo e discípula de Jesus não significa dizer "Eu te amo Jesus" ou "Jesus é Dez". Ser discípulo e discípula significa dar a vida pelos que não possuem vida. Como Igreja (comunidade de fiéis) deveríamos ser interpelados pelo testemunho do Evangelho e da Tradição e, para nós aqui da América Latina, testemunho dos mártires da caminhada e, com isso, assumir a postura do engajamento nessa luta sem perder a mística da contemplação.
A mundialização na qual vivemos se impõe como neoliberal, de mercado total, idolátrica, escatológica - pois anuncia o "fim da história", consumista, privatizadora, narcisista e sem alternativas possíveis. Nega-se com isso a radicalidade do Evangelho, o compromisso com o "kairós do Reino", com a utopia. Nesta lógica substitui a ética pelo estético, se ignora os pobres renegados a programas assistencialistas e compensatórios. Vivemos neste Kairós neoliberal "a noite escura dos pobres" e podemos cair em três grandes tentações, a saber: "a tentação de renunciar a memória e a história; a tentação de renunciar a cruz e a militância; a tentação de renunciar a esperança e a utopia" como diz Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Félix do Araguaia.
Precisamos urgentemente de uma outra mundialização, numa outra modernidade ou pós-modernidade. Nas Igrejas cristãs precisamos de novas primaveras como aquela protagonizada pelo Concílio Ecumênico do Vaticano II. Corre-se o risco de tornarmos nossas comunidades e igrejas cristãs numa avalanche de fundamentalismos e exotismos, num festival catolicista ou cristianista. Sendo que é hora, é tempo de profeticamente denunciar este anti-Reino neoliberal do "deus mercado" e anunciar também profeticamente o Reino de Deus, da justiça e da paz. Se as Igrejas cristãs perderem este rumo, perder-se-á o sentido do Evangelho e do próprio seguimento a Jesus. Não podemos retroceder à fase da cristandade que ronda o universo das mentes religiosas de nossa atual história o que determina colocar no esquecimento as conquistas na espiritualidade, nas liturgias, na teologia, na vida religiosa inserida na vida popular, nas pastorais sociais, na diversidade dos ministérios, no profetismo dos cristãos leigos e dos pastores e pastoras, da mulher que deve ser respeitada em seu ministério (nisso, Anglicanos e Luteranos estão muito mais avançados do que os Católicos), no ecumenismo e no diálogo inter-religioso ou macro-ecumenismo, nas Igrejas comprometidas na luta pelos direitos humanos, pela cidadania, pela ecologia, pela terra, pela saúde, pela criança e adolescente, pela juventude, pela moradia digna, pela educação, pela comunicação, pelo trabalho, pela paz, pelos povos indígenas, enfim, pela vida. Por isso, necessitamos de Igrejas cristãs mais evangélicas, simples, missionárias, comprometidas com o povo. Igrejas cristãs pascais, serviçais, livres dos acordos com as elites, desinteressadas, fiéis ao mandato de Jesus. Precisamos trocar nosso coração de pedra por um coração pascal. É chegado o momento.
 

Bem vindos a Radio Adoradores. Um espaço para quem gosta de estar em sintonia com a palavra de Deus.

Anuncie aqui. Entre em contato pelo hotmail: impacktus@hotmail.com
Mural de recado 2
Mural de recado 3
Today, there have been 1 visitantes (4 clics a subpáginas) visitaram esse site
=> ¿Desea una página web gratis? Pues, haz clic aquí! <=
Adorai ao Senhor dos Exercitos.